Pantanal, Nobres e Chapada dos Guimarães: um roteiro pelo Mato Grosso

Mais uma viagem incrível! O Mato Grosso é um estado enorme é lindo, cheio de paisagens bonitas e lugares ímpares para conhecer. Nossa trip durou seis dias e conhecemos o Pantanal, Nobres e Chapada dos Guimarães. Cenários de tirar o fôlego!!!

Como chegamos: fomos até Cuiabá de avião e lá alugamos um carro um aeroporto, que dividimos em quatro amigos. Excelente custo-beneficio.

 

Roteiro parte 1: Pantanal

Ficamos no Pantanal por três incríveis dias, me surpreendi com o que encontrei e voltei pra casa encantada com a Fauna e Flora tão rica e linda que existe nesse lugar!

O que fizemos?

Ficamos hospedados no Sesc Pantanal é fizemos todos os passeios saindo de lá, pra quem é comerciário o preço é muito barato, vale muito a pena.

 

Alvorecer

É um passeio de barco pelo Rio Cuiabá em que você sai bem cedo (às 5 da manhã – sem horário de verão), ainda escuro, para ver o Sol nascer no Pantanal. Incrível! A paisagem fica absurdamente linda com o amanhecer, além de ter a oportunidade de explorar a fauna e flora locais. Jacarés, muitas aves, vegetação linda.

 

Corixo

Os Corixos são braços menores dos rios, visitamos um do Rio Cuiabá. Passeio feito durante a tarde para explorar a fauna e flora locais. Foi o passeio que visualizamos mais bichos, aves de todos os tipos, o tempo inteiro. A sensação de estar no Pantanal é bem diferente, me surpreendi muito, foi muito além do que eu esperava e ter um contato tão próximo com a natureza é encantador.

 

Cavalgada

Simplesmente amei este aqui! Fizemos uma cavalgada pela reserva do Sesc, os cavalos super mansos e carinhosos, de derreter o coração. Durante o passeio é possível ver alguns bichos na mata e a trilha segue reserva a dentro em mata mais fechada. Recomendo!

 

Transpantaneira

Essa rodovia incrível liga a cidade de Poconé até Porto Jofre, na divisa entre os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Fizemos até o KM 65 e foi incrível! durante o trajeto encontramos muitas aves e animal selvagens… Jacaré então, nem se fala, você vê um lago atrás do outro lotado deles. Muito bacana! Como estávamos de carro, fizemos o passeio com nosso carro mesmo, super tranquilo e íamos parando onde nos interessava.

 

Hospedagem: SESC Pantanal

Simplesmente incrível – R$ 130 reais a diária por pessoa, com café da manhã, almoço e jantar inclusos. Merece um capítulo à parte! Galera, é simplesmente fantástico, estrutura muito boa, os apartamentos são muito bons! A comida, nem se fala! Além da grande variedade de pratos “normais”, em todas as refeições tem comidas típicas pantaneiras, incluindo porção de jacaré no bar! Recomento muito: Farofa de banana, Quebra Torto (café típico pantaneiro com muita sustança) e todos os pratos com peixe, principalmente Ventrecha. Existe uma área de SPA, que mais parece um resort 5 estrelas, onde você pode contratar massagens, ou simplesmente passar uma tarde relaxando nas saunas e piscinas revigorantes. Fizemos isso é valeu cada centavinho! Por ser muito concorrido, recomendo reservar com antecedência, no nosso caso, fizemos a reserva cinco meses antes. Fiquei com muita vontade de voltar na época das cheias, onde dizem que o Pantanal é ainda mais incrível.

O Sesc possui uma reserva de mais de 20.000 hectares, preservados e muito bem cuidados por eles. O atendimento é muito bom, a comida é maravilhosa e você contrata todos os passeios com eles, saindo de barco do próprio hotel. Estrutura impecável! Os preços são muito bons pra quem possui carteirinha como comerciário e essa é a grande dica desta viagem.

Como sempre, valorizando nosso país, nossas belezas naturais e nossa cultura. Mais um lugar marcante e maravilhoso. Vão! A única certeza é o encanto que tomará conta de você.

 

Roteiro Parte 2: Nobres

Como dizem, Nobres não é bonito, é lindo! Piadinha boba, mas, sempre válida (risos). Ficamos por dois dias em Nobres durante nossa viagem pelo Mato Grosso e compartilharei com vocês as dicas e os passeios que fizemos por lá.

O que fizemos em Nobres?

 

Aquário Encantado

Está a 12 km da vila de Bom Jardim, numa propriedade particular. Custa $35 reais por pessoa para conhecer o Aquário Encantado ou você pode pagar $70 para fazer o Aquário + a Flutuação pelo Rio Salobre (que custa 45 sozinho), que fica na mesma propriedade e foi o que escolhemos fazer.

O tempo estava bem fechado, chovendo e mesmo assim a visibilidade era muitooooo boa! Pudemos flutuar por 20 minutos e, por incrível que pareça, a água estava com seus 26 graus mesmo com chuva. Um lugar muito bonito! Uma pena que nossa visita ocorreu durante a Piracema (período em que os peixes se reproduzem), ou seja, nada de peixes grandes! Essa é uma dica, verifique o período antes de ir!

 

Flutuação no Rio Salobre

Sem grandes peixes por conta da Piracema mas, de novo, uma visibilidade incrível mesmo com chuva e tempo fechado. Você desce o Rio 700 metros abaixo, devagarzinho com o arrastar da correnteza e vai observando a natureza incrível desse lugar. Vale muito a pena!

 

Cachoeira Serra Azul

A Cachoeira Serra Azul fica dentro da fazenda do Sesc, a 24 km da Vila de Bom Jardim. A dona da pousada chamou o guia para nos levar e foi aí que descobrimos que pertencia ao Sesc e tinha desconto para comerciários com carteirinha!!! Huhullll, Deus salve o fundador do Sesc \0/

A Fazenda Santo Antonio é incrivelmente bem cuidada tem muitas atividades para fazer por lá. Além de visitar essa linda cachoeira, você também poderá fazer uma tirolesa e eles estão preparando a estrutura para novas aventuras por lá.

Um visual lindo, água nem tão gelada quanto esperávamos e finalmente vimos muito peixes! Isso porque os peixes das cachoeiras não conseguem descer para a Piracema, então tem peixe grande o ano inteiro! E são lindos! Mais uma vez pudemos ficar ali por 50 minutos, só nós quatro, por ser um dia de chuva e tempo fechado. E valeu muito a pena! Imagino que ela seja bem mais bonita com a luz do sol, mas, estar ali só com seus amigos, não tem preço! O Sesc programa quatro horários de visitação por dia, com 35 pessoa em cada, portanto, é preciso reservar antes! Achamos essa medida muito bacana, ajuda a preservar o lugar e, além disso, não vira farofada. Custou R$ reais por pessoa, com o desconto de comerciário.

 

Lagoa das Araras

Esse foi um lugar que me surpreendeu muito! As Araras vem da floresta para dormir nesse lugar, a visitação ocorre entre 17:00 e 19:00, conforme o tempo vai passando, vão chegando mais e mais Araras, é lindo demais! Toda aquela diversidade de cores, o canto delas é bem alto também, dá pra ficar ali por horas observando esse espetáculo da natureza. Esse é um dos lugares mais famosos para se ver o pôr do sol por aqui, mas, por conta do mal tempo, não tivemos a oportunidade de presenciar isso.

A Lagoa das Araras fica dentro de uma propriedade privada, que é do dono de um depósito de construção de Bom Jardim. As pousadas oferecem por $15 reais o voucher para entrar mas, compramos direto com eles e ainda ganhamos um descontinho com a dona! Ouvir e ver as Araras, em seu habitat natural, foi uma experiência linda, vale muito a pena a visita!

Como chegar em Nobres – MT?

Fomos para Nobres com carro alugado, saindo do Pantanal, consideramos o aluguel como a melhor opção, ainda mais que estávamos dividindo tudo entre quatro amigos e nossa viagem passava por outras cidades do Mato Grosso. Saindo de Cuiabá, são 147 km.

Hospedagem:

Ficamos hospedaria na pousada Buriti, na cidade de Bom Jardim que e a mais próxima das atrações (primeira dica, não se hóspede em Nobres – fica longe, apesar de ser mais barato – o ideal é se hospedar em Bom Jardim). A pousada nos cobrou 330 reais na diária de quarto para quatro pessoas. Eles possuem restaurante e cobraram R$ 25 reais para os hóspedes almoçarem a vontade. Comida bem simples, como em toda a cidade. Um dos nossos jantares foi no Espetinho do Renan, um cara super bacana, ficamos batendo um papo legal com ele e ele cobra R$ 12,00 no espetinho com arroz, mandioca e farofa.

Um ponto de atenção: nada é de graça em Nobres! Isso assustou de início… tudo se paga, pra ver uma árvore você tem que pagar (risos), mas, entendo que quase tudo está em propriedade particular e seus donos precisam fazer dinheiro e cuidar do local. Então a dica é tentar pechinchar ao máximo, considerei caros os passeios, ainda mais pela cidade ainda não possuir uma boa estrutura. Mas, vale muito a pena a visita, que comprovou mais uma vez o quanto o Mato Grosso é lindo!

 

Roteiro parte 3: Chapada dos Guimarães

Visitamos a Chapada dos Guimarães durante nossa trip pelo Mato Grosso e constamos o quão linda ela é! Vale muito a visita!

 

Como chegar na Chapada dos Guimarães?

Escolhemos alugar um carro (dividimos em quatro amigos), foram 70 km saindo de Cuiabá até a cidade da Chapada.

 

Onde se hospedar na Chapada dos Guimarães?

Existem diversas pousadas na cidade da Chapada e também é possível alugar casas pelo AirBnB. Havíamos feito uma reserva em uma das pousadas e tomamos um Pelé deles por não ter feito depósito antecipado. Daí, por sorte, percebemos que era relativamente perto e Cuiabá e decidimos ficamos hospedados lá mesmo, onde fomos muito bem recebidos por nosso amigo Kiko, que agora mora na cidade! Foi uma ótima escolha, é realmente bem perto e ainda tivemos a oportunidade de estar com nosso amigo, que também nos acompanhou e mostrou toda a Chapada.

 

O que fizemos na Chapada dos Guimarães?

Portal do inferno = penhasco

Nossa primeira parada foi num penhasco que fica na beira da estrada, conhecido como Portal do Inferno. Sinistro! O lugar foi muito usado como ponto de suicídio e tem varias historias mas, uma vista incrível! Vale dar uma paradinha. Esqueci da foto 😦

 

Cachoeirinha

A Cachoeirinha fica dentro do Parque Estadual da Chapada dos Guimarães, uma trilha fácil e curta. Você deixa o carro num estacionamento gratuito e desce 1 km de trilha autoguiada a pé. A água geladaaaaa… estava um pouco barrenta por conta das chuvas do dia anterior, mesmo assim, adoramos! Não paga nada pra entrar no parque!

 

Cachoeira dos namorados

A Cachoeira dos Namorados também fica dentro do parque e na mesma trilha da cachoeirinha, são vizinhas. Apesar de menor, gostei muito pelo fato de conseguir entrar debaixo da queda d’água e poder curtir uma hidromassagem natural!

 

Cachoeira Véu da noiva

A Cachoeira do Véu da Noiva é a mais famosa da Chapada e também fica dentro do parque estadual. Hoje em dia não é possível chegar até ela, é preciso se contentar em olhar do mirante! É linda! 84 metros de altura, num cenário exuberante com um lindo vale da Chapada ao fundo. A trilha é de nível fácil e curta, 1 km de caminhada simples. Pelo caminho encontramos muitas famílias com crianças.

 

Cachoeira da Geladeira

A Cachoeira da Geladeira fica dentro de uma propriedade particular na Chapada e eles cobram R$ 10 reais pela entrada. Vale a pena para conhecer, tem lugar pra guardar o carro, um banheiro e também uma lojinha onde se pode comprar bebidas. A água é realmente gelada! Ela é bem bonita, com água verde, mas, de novo, não vimos em sua melhor forma por conta das chuvas. Pegamos uma época um pouco difícil… mas, gostamos muito ainda assim.

Cachoeira da Geladeira - Chapada dos Guimarães

A Chapada dos Guimarães foi nossa terceira Chapada, de cinco existentes no Brasil! Faltam só duas!!!

 

Mirante Morro dos Ventos

O Mirante Morro dos Ventos é um lugar lindo, onde se tem uma vista maravilhosa da Chapada dos Guimarães. Fica dentro de um condomínio e ainda tem uma estrutura bem bacana com quiosque e restaurante. Vale muito a pena visitar esse lugar!

 

Finalizamos em Cuiabá!

Cuiabá é uma cidade bem quente, com ~600 mil habitantes, parques bacanas para visitar e muitos bares e restaurantes. Finalizamos a trip por aqui e ainda tivemos tempo de conhecer um pouco da cidade antes de voltar pra São Paulo.

Algumas dicas caso você também tenha um tempo por lá:

– Bares na beira do Rio Cuiabá: um passeio legal pela Orla do Rio, onde a temperatura estava um pouco mais amena e estava rolando também um encontro de carros antigos. É um point da cidade! Aqui provamos muitas comidas típicas cuiabanas e recomendo provar a Ventrecha de Pintado (uma espécie de costela do peixe), a boa farofa de banana, galinhada e a incrível Mogica!

– Bares na Praça Popular: escolhemos ficar no “Chopão” e provamos uma típica galinhada mato-grossense. Muito boa por sinal!

 

Créditos da viagem

Foi uma viagem realmente incrível! Saímos com vontade de voltar, principalmente para ver o Pantanal na época das cheias. Uma viagem com amigos que eu amo muito, companheiros de trip por esse mundão e lá vão os créditos do roteiro:

Roteiro: feito pela Carol, pesquisou tudo, organizou tudo e foi tudo perfeito!

Passagens/aluguel de carro/hospedagens: tudo feito pelo Guilherme (Birigui)!

Hospedagem em Cuiabá (pra ir para Chapada): Kiko! Sem palavras, nos recepcionou muito bem em sua casa e ainda nos apresentou à Chapada e Cuiabá.

Low cost, big adventures! Obrigada aos amigos Carol, Birigui, Pim e Kiko por mais essa trip incrível. E muito obrigada Ju, por todas as dicas! Viajar com grandes amigos é sempre uma honra!

7 comentários em “Pantanal, Nobres e Chapada dos Guimarães: um roteiro pelo Mato Grosso

    1. Olá! Fizemos tudo por conta! Estávamos de carro… não precisa de guia, alguns lugares são de trilha auto guiáveis (como Cachoeira véu da noiva), outros você paga taxa para o dono da propriedade para entrar. Usamos guia apenas agora na última visita que fiz a Chapada dos Guimarães, fomos visitar as cavernas Aroê-Jari, mas contratamos no próprio local… não há com o que se preocupar! Beijaum

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s